Apresentação da versão Reina-Valera

A Bíblia na Versão Reina-Valera é das mais conhecidas e conceituadas versões da Bíblia. Tendo sido a primeira versão que contou com todo o texto integralmente traduzido para o espanhol, alcançou grande difusão durante a Reforma Protestante do século XVI. Foi traduzida diretamente de textos gregos, aramaicos e hebraicos, devendo o nome pelo qual é conhecida, Reina-Valera, a seus tradutores principais, Casiodoro de Reina (c. 1520-1594) e Cipriano de Valera (1532-1602).

Ambos foram homens muito experientes no texto bíblico e eram voltados ao estudo das letras. Originalmente monges do Convento de San Isidro del Campo, estavam exilados em fuga da Inquisição da Espanha por tornarem públicas suas simpatias pelas ideias dos reformadores protestantes Martinho Lutero e João Calvino. Os trabalhos dos dois tradutores foram inicialmente tornados públicos pelas hoje famosas Bíblia do Urso (Casiodoro de Reina, Basilea, Suíça, 1569) e Bíblia do Cântaro (Cipriano de Valera, Amsterdam, Países Baixos, 1602). A partir desses trabalhos, consolidou-se a versão agora conhecida por Reina-Valera.

Houve traduções anteriores financiadas por expensas reais castelhanas por ocasião de Afonso X, o Sábio, e João II, de Castela. Mas a pouca difusão deveu-se ao fato de que, àquele tempo, sob intensa influência católica, tanto a prédica quanto a leitura pública do texto bíblico só eram possíveis em latim, com a Vulgata de Jerônimo. Somente com a difusão da Reforma Protestante, baseada sobretudo na doutrina luterana de leitura direta da Bíblia como única fonte de fé e prática para os cristãos, é que houve grande apelo por traduções em línguas vernáculas locais. A própria Bíblia de Lutero é exemplo clássico, tendo sido a estimuladora da língua e literatura alemã moderna.

Posteriormente houve revisões profundas no texto da Reina-Valera. Destacam-se as de 1862, 1909, 1960 e 1995. Afora essas revisões, surgiram muitas outras versões, fruto do cotejamento, da melhoria de construção textual e do constante aprimoramento do texto. Também chamadas de Reina-Valera, em geral trazem a identificação desses trabalhos textuais pela definição do ano de lançamento. Uma delas é a versão chamada Reina-Valera 1997, revisão direta da versão de 1960. É com base na versão 1997 que apresentamos ao leitor a nova versão em língua portuguesa, a qual chamamos Reina-Valera em Português 2009, ou RVP-0910.